segunda-feira, 31 de maio de 2010

video

TROMBETINHA no Comercial do Parque Trombini

domingo, 16 de maio de 2010

Pessoal aí vai a programação do Projeto Flavio Márcio
Apresentação de duas peças e Exposição sobre o autor.Conto com a presença de todos vcs !

Os dois textos fazem parte do PROJETO FLÁVIO MARCIO 30 ANOS DEPOIS, produzido por LÉO MOTA e GABRIELLE LAGROTTA.

Tiro ao alvo:
Uma Produção de Léo Mota e Gabrielle Lagrotta
Tiro ao alvo é uma peça de mistérios; uma realidade aumentada, alternativa, onde Flávio Márcio criou uma sociedade altamente repressora e alienante: Sociedade representada na peça pela família Santana. Família de classe média alta que convive, compactua e se beneficia do “sistema” dessa sociedade. A história gira em torno do fracasso de Jorge no campeonato nacional de tiro ao alvo. Jorge Santana, orgulho de seus pais e um dos favoritos ao titulo, não consegue nem atirar mais. Qual o motivo disso? É o que ele e a família querem descobrir. Jorge quer se descobrir, Luísa sua irmã, não quer se mostrar. Ambos testam seus limites, tendo os pais Erasmo e Clara como seus censores diretos. A incomunicação reina na peça. Por mais que as personagens falem, e falam muito, ninguém se entende. Michelzinho, o riponga rico e debochado aparece mexendo nas bases da família. Tiro ao Alvo é uma viagem vertiginosa rumo à tragédia da falta de compreensão, da falta de amor próprio e ao próximo. Você está convidado para esta sessão de tiro.

O Lenhador e as árvores:
Léo Motta e Gabrielle Lagrotta produziram o único texto infantil escrito por Flávio Márcio é “O Lenhador e as Árvores”. Um texto que antecipa em décadas uma discussão muito em voga nos dias de hoje que é a ecologia e ainda ressaltam valores como solidariedade, compaixão e amizade. O texto fala da difícil tarefa dada a um lenhador; a tarefa de fazer a mais bela mesa para o Rei Arthur. Incumbido de tal missão, o herói da peça entra em um bosque encantado à procura da melhor madeira para a mesa. Lá se depara com as vaidades excessivas das árvores que ali estão e por pouco não vê sua missão fracassar. É quando surge o Pinheirinho que tenta ajudar o Lenhador a encontrar o que ele procura sem perceber que ele mesmo detinha tudo o que era preciso pra se tornar a grande mesa do Rei Arthur. Revelando que às vezes aquilo que mais buscamos está dentro de nós mesmos.

Exposição Flávio Márcio- UM OLHAR PRESENTE
As comemorações pelo aniversário de morte do autor não terminam só com as apresentações das montagens.
Haverá a exposição Flávio Márcio UM OLHAR PRESENTE. Onde o acervo do autor será exposto durante uma semana. Do dia 20 a 28 de maio.
Para a exposição serão convidados pessoas ligadas a imagem de Flávio Márcio como SERGIO MAMBERTI. No lançamento da exposição do dia 20 de maio.Lembrando que ele confirmou sua presença no dia 21 de maio.
A exposição lembra os 30 anos de morte do escritor.Sob curadoria de Beth e Daniela Salim e dos produtores Gabrielle Lagrotta e Leonardo Mota. Reunindo fotos,cartazes e objetos que retratam as questões humanas e sociais retratadas em suas obras.
Lembrando que Sergio Mamberti ator e presidente da FUNARTE confirmou presença no dia 21 de maio onde falará sobre a relação de amizade e trabalho com Flávio.

Sobre o Autor:
Sobre Flávio Márcio:
Flávio Márcio Salim , juizforano de nascimento, autor, publicitário e jornalista, viveu em São Paulo e criou uma trilogia, tendo por tema a classe média, na qual a família é apresentada como fonte permanente de opressão. Suas primeiras peças são: In Memoriam, 1963, e As Lesões que o Amor de Merola Deixou no Corpo de Paulo, 1967, ambas inéditas. Compõe a trilogia À Moda da Casa, 1972/1973; Reveillon, 1975; Tiro ao Alvo,1978. O que as unifica é a representação da classe média das grandes cidades brasileiras, examinada através do foco sobre o núcleo familiar, que é fotografado não apenas como permanente fonte de conflitos e irrealizações como, em especial, causador das infelicidades coletivas. Sua primeira oportunidade profissional ocorreu no Rio de Janeiro, no Grêmio Dramático Brasileiro, então sob a direção de Aderbal Freire Filho , grupo que centralizou o lançamento de novos autores e levou à cena Reveillon e Pequeno Dicionário da Língua Feminina, em 1974. Embora em montagens modestas, a crítica percebeu e evidenciou o talento do dramaturgo, contribuindo para que a atriz Regina Duarte escolhesse o texto e produzisse uma montagem em São Paulo em 1975. Flávio ganhou o prêmio Associação Paulista dos Críticos de Arte, APCA, de melhor autor. Com direção de
Paulo José e cenografia de Flávio Império, essa nova encenação destacou-se e foi, para Regina Duarte, um momento especialmente bem-sucedido da sua carreira teatral. Tiro ao Alvo, que enfoca a vida de um jovem campeão de tiro, volta ao tema da opressão familiar e do universo da incomunicabilidade entre as pessoas.. Sob a direção de Ronaldo Brandão, a montagem foi realizada em São Paulo, em 1979, depois da morte do autor. Para o crítico Yan Michalski, Flávio é "fortemente influenciado por Nelson Rodrigues, amadurecendo a criação de um universo muito pessoal, um universo sombrio e sem fé, mas colorido com desenfreada fantasia e um diálogo preciso, cheio de humor cético e contundente".
Em maio de 1979, a dramaturgia perdia um dos seu filhos mais promissores, no auge de sua criatividade intelectual em decorrência de uma hemorragia numa cirurgia de amigdalite : Flávio Márcio, Aos poucos caiu em certo ostracismo. Em sua cidade natal teve poucas montagens, apesar de algumas homenagens como o nome da sala de encenação do Centro Cultural Bernardo Mascarenhas, que passou a se chamar Sala de Encenação Flávio Márcio.

Sobre o Projeto:
O projeto Flávio Márcio 30 anos depois é encabeçado pela Cia Ribalta de Atores e pelo Grupo Teatral Criarte. Pretende levar aos palcos de Juiz de Fora dois espetáculos de Flávio Márcio dirigidas por dois diretores locais. Mostrando a diversidade de linguagens, as diferenças e a riqueza dos talentos locais. É a oportunidade da cidade, realmente, mostrar que sabe valorizar os filhos talentosos dessa terra. A Cia Ribalta de Atores encenará o espetáculo infantil: O lenhador e as Árvores e ao Grupo Teatral CriArte coube a responsabilidade de levar aos palcos “Tiro ao Alvo”, terceira peça da trilogia tragicômica.

Produção executiva:
Gabrielle Lagrotta-8841-6762/9123-7097
Leonardo Mota-8825-6963
INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A LEI MURILO MENDES

Após longo período de espera - desde quando foi anunciada há quase dois meses -, as inscrições para a Lei Murilo Mendes de Incentivo à Cultura 2010 serão abertas nessa segunda-feira, na Funalfa (Av. Rio Branco 2.234). O prazo segue até 17 de junho. Os interessados podem se inscrever de segunda a sexta, das 9h ao meio-dia e das 14h às 17h. Cada proponente pode apresentar um projeto artístico cultural, sendo aceita sua participação como membro de equipe em outros dois projetos. Este ano, conforme garantiu o superintendente da Funalfa, Toninho Dutra, a Prefeitura destinará R$ 1 milhão à Lei Murilo Mendes, por meio do Fundo Municipal de Cultura (Fumic). A este total serão acrescidos R$ 66 mil, referentes a recursos encaminhados por meio de emenda do parlamentar Flávio Checker (PT).

Entre as novidades desta edição, está a compilação de três documentos - edital, decreto e instruções para preenchimento de formulário - em um único: o edital, disponível em www.pjf.mg.gov.br a partir de amanhã. Segundo informações da Funalfa, fica estabelecido o custo limite de R$ 25 mil para cada projeto, sendo que as propostas com valor superior a esse montante poderão receber recursos de outras fontes, desde que a verba seja captada com antecedência, mediante comprovação, de modo a garantir a execução e a qualidade do projeto. Conforme ocorreu na edição anterior, 20% do orçamento total da Lei Murilo Mendes serão destinados a projetos de baixo custo de execução, que não deverão ultrapassar o valor de R$ 4 mil cada.

Avaliação
Com exceção dos projetos de baixo custo, que não serão submetidos à avaliação dos consultores, as propostas inscritas passarão por três fases de julgamento. Na primeira fase (análise documental), será verificado se todos os documentos exigidos em edital foram devidamente anexados. Esta etapa é eliminatória e não caberá recurso ou pedido de reexame. Na segunda fase, (análise do consultor), especialistas vão atribuir pontuação aos projetos, observando os seguintes critérios: Consistência, exequibilidade e eixo constitutivo. Este último trata de projetos que priorizem pesquisa e experimentação, promoção da memória coletiva e do patrimônio cultural da cidade, formação de público, formação e aprimoramento técnico-artístico, circulação e divulgação, permitindo a democratização do acesso aos bens culturais.

O recurso poderá ser liberado em cota única ou em até seis parcelas, de acordo com cronograma financeiro estabelecido pela secretaria da Fazenda da Prefeitura. Ao que tudo indica, a liberação ocorrerá em duas etapas, representando cada uma 50% do total. A previsão é de que o resultado final da Lei Murilo Mendes 2010 seja divulgado até outubro.

Dúvidas
Na próxima quarta, às 9h, e na quinta, às 16h, serão realizadas reuniões, no Anfiteatro João Carriço, para tirar dúvidas quanto ao edital e ao preenchimento do formulário.

sexta-feira, 7 de maio de 2010